segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Um dia ainda escrevo um livro

Ando nisto dos blogs há tanto tempo que se quiser precisar desde quando já não sou capaz. Primeiro em formas de " boneca" depois em forma de poeta, voltei aos personagens, escrevi livros e voltei para casa. Tive blogs em todas as plataformas que existem. Nem todos se salvaram ( ainda bem, há coisas que não gostaria que soubessem que fui eu que escrevi mas há algumas de que me orgulho) .

Ao princípio escrevia para organizar os pensamentos, depois começou a ser um escape, depois uma fuga e finalmente um resguardo das agruras da vida. Achava que escrevia para mim, mas na internet ninguém escreve só para si e com o tempo fui percebendo que afinal até gosto que me leiam independentemente das interpretações ou elações que daí possam tirar. Escrevo as minhas ideias, os meus pensamentos, os meus gostos e escrevo só pelo gosto de escrever e é daí que vem a poesia e a prosa poética de que tanto gosto. Frutos da minha imaginação, de tudo o que a vida me ensinou, do que vi ou vivi ou até de ouvir contar. Mas não foi só isso que me encantou nos blogs. Ao contrário do facebook que é uma página estática, nos blogs conseguimos programar quase tudo, com o nosso gosto e a nossa imaginação em conjunto com os programadores " oficiais" ou, se quisermos aprender e tivermos paciência, podemos nós fazer tudo.

Adoro esta casa. Foi quase um culminar do que aprendi sobre programação sendo que a plataforma do blogger é muito fácil de utilizar e foi a primeira onde trabalhei. A plataforma do sapo é um bocadinho mais estanque mas já vão existindo muitos temas bem giros para decoração e ainda estive indecisa em voltar para lá. Foi uma questão de preço, no fundo. Para registar a patente teria que gastar muito mais do que gastei. O tumblr foi o meu último grande desafio, até porque para ficar alguma coisa de jeito tem que se saber a linguagem da plataforma e programar tudo. Transpirei bem para conseguir que ficasse ao meu gosto e mesmo assim nunca chegou a estar perto da perfeição. Decidi-me por voltar ao WordPress. Porque me permite construir um site, fazer um blog e ainda registar a patente do que consegui salvar desta minha experiência pelo mundo da escrita e da internet.

Vão sempre poder acompanhar-me aqui. Retorno à minha "loja", a um nome antigo mas com um novo formato. Espero que gostem, mas se gostaram até aqui (provavelmente já não irei mudar muito o formato) irão gostar no futuro.

Obrigada a todos os que me apoiaram e ensinaram. Obrigada aos que me acompanharam em quase todas as etapas e foram alguns. Agradeço ainda à nação que acolhe os jogos Olímpicos que foi a primeira a receber-me de braços abertos, foi em plataformas brasileiras que publiquei os meus primeiros textos. Finalmente, em Portugal, ter um blog já não é só para quem se quer mostrar é sobretudo para aqueles que têm gosto em partilhar um pouco do que são e do que sabem, com os outros. 

Que sejam sempre bem vindos